Quer ser feliz? Seja generoso

A felicidade talvez seja o mais elusivo dos desejos humanos. Quanto mais nos aproximamos dela, mais ela nos escapa. Ainda assim, ser feliz parece estar na mais profunda de nossa essência. A pergunta sobre o que nos faz feliz não é de agora. Mesmo antes de milhares de livros de auto-ajuda que dizem conter o segredo da felicidade, a preços módicos, inúmeros filósofos se debruçaram sobre essa questão. De Platão a Nietzsche, passando por Epicuro, Kant e Conte-Spoinville, a filosofia parece ter em sua mais profunda essência o estudo acerca do que nos torna felizes.

Contudo, há pouco mais de uma década, as neurociências e a psicologia cognitiva têm trazido para o campo da ciência a busca pelo entendimento da felicidade e, consequentemente, como levar uma vida mais feliz.

Contrariando o senso comum, de que a busca pela felicidade é um empreendimento solitário, pessoal, quase egoísta, cientistas suíços mostraram recentemente que ser generoso afeta seu cérebro tornando-o mais feliz. Ou seja, o outro parece desempenhar um papel muito mais relevante do que supúnhamos quando se trata de felicidade…

Nesse experimento, 50 pessoas receberam 25 francos suíços (cerca de 82 reais) semanalmente, por um mês. Elas foram, então, separadas em dois grupos. Um grupo em que cada integrante deveria gastar esse dinheiro com outras pessoas. O outro em que cada integrante deveria gastar o dinheiro consigo mesmo.

Eles tiveram seus cérebros escaneados por ressonância magnética funcional durante a tarefa. Nesta tarefa as pessoas deveriam presentear ou gastar o dinheiro bem como dizer como se sentiram antes e depois do experimento.

Os gastos foram feitos da seguinte forma: aleatoriamente aparecia na tela de um computador as “propostas” que poderiam ser aceitas ou rejeitadas. Por exemplo, “gaste 20 francos com você agora”, “Dê 10 francos de presente agora”. Foi medido até o impacto de diferentes níveis de generosidade, pois era possível gastar com outra pessoa de 3 até 25 francos.

E os resultados foram interessantíssimos!

O cientistas analisaram três diferentes áreas cerebrais: a junção tempoparietal, cuja ativação esta associada a comportamentos de empatia e socialização; o estriado ventral, região associada a respostas de felicidade; e o cortéx orbitofrontal, área envolvida na tomada de decisão.

Inicialmente, os integrantes do grupo que gastaram com os outros reportaram sentirem-se mais felizes do que aqueles integrantes que gastaram o dinheiro consigo mesmo. E os resultados da ressonância magnética corroboraram esses auto-relatos! Aqueles que gastaram consigo mesmo apresentaram menor ativação na região da empatia e da felicidade quando comparados com os integrantes do grupo que gastou com os outros. Curiosamente, os atos de doação de pequenos valores causaram tanta felicidade quanto as grandes doações (doar 3 ou 25 francos).

Para os cientistas, foi bastante importante do ponto de vista cerebral evidenciar as conexões entre a ativação da junção tempoparietal e o estriado ventral. Isso revelou a relação entre generosidade e felicidade. Contudo, para eles, os resultados não deveriam ser tão surpreendentes. Já existem pesquisas que mostram o quanto ser generoso aumenta os vínculos afetivos e de pertencimento e coesão de grupo. Isso mostra que quem ajuda acaba se beneficiando também.

Ao olharmos para as pesquisas em psicologia evolutiva, inúmeros resultados apontam que cooperar parece ter sido o que nos tornou humanos. A ideia de que sempre é preciso competir pode não ser tão abrangente como pensávamos. Não há dúvidas de que a competição é fator determinante na seleção natural. No entanto, os resultados recentes revelam o quanto as relações são incrivelmente mais complexas. Ao se pensar somente na espécie humana, cada ano aumentam as evidências científicas de que antes de competir é preciso cooperar.

Somos seres sociais e, por isso, nos sentimos melhor quando interagimos com os outros. E agora a ciência mostra que isso nos traz felicidade!

Então, se você estiver pensando em sair agora e passar em um shopping para comprar aquele último modelo de celular e que, assim, irá se sentir feliz, talvez esteja fazendo errado… Tente presentear alguém que gosta, mesmo que seja com um simples café! É mais barato e tem uma garantia maior de que a felicidade estará um pouquinho mais perto de você.

 

REFERÊNCIA

Park SQ, Kahnt T, Dogan A, Strang S, Fehr E, Tobler PN. A neural link between generosity and happiness. Nature Communications. 2017.

Facebook Comments
COMPARTILHAR:

2 comentários em “Quer ser feliz? Seja generoso

  • 5 de dezembro de 2017 em 23:55
    Permalink

    Parabens, Dr Guilherme! Cheguei em seu texto buscando inspiração para uma apresentação sobre felicidade! Sucesso p vc!

    Resposta
    • 17 de dezembro de 2017 em 20:33
      Permalink

      Oi Ana Carolina, saiba que me deixou muito feliz! Fico, de verdade, contente por meu texto ter te ajudado e trazido um cadinho de felicidade. Muito obrigado.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *