Política, economia e meio ambiente

A Academia Real Sueca de Ciências anunciou os economistas americanos, William Nordhaus e Paul Romer, como prêmio Nobel de economia de 2018. Seus trabalhos estão relacionados com Política, Economia e Meio Ambiente. O trabalho de Paul Romer trata da regulação e da política que encoraja novas ideias e prosperidade a longo prazo. O trabalho de Willian Nordhaus enfoca a interação global entre economia e o clima.

Professor de Economia na Universidade de Yale, Nordhaus relacionou a economia com as mudanças climáticas. Mostrou que a natureza não é algo que apenas restringe as atividades humanas (afinal, os recursos naturais são limitados). A natureza é influenciada pelas atividades econômicas.

O economista foi o primeiro a criar um modelo que descreve a interação global entre economia e clima, na década de 90. Nesse modelo, ele já alerta sobre as consequências econômicas que o aquecimento global pode causar. Além disso, o modelos pode ser utilizados pelos governos para traçar cenários para seus países, buscando ações e soluções para evitar problemas maiores.

De forma simples: a mudança climática altera o regime de chuvas e a temperatura. Isso prejudica certas plantações afetando a produção de alimento. Sem alimento, pessoas passam fome e agricultores não ganham dinheiro. Com a previsão de possíveis consequências de suas ações, os países podem evitar impactos ambientais que custam muito às pessoas e a economia.

Nordhaus analisou que o crescimento econômico deve levar em conta, também, o impacto ambiental. O solo mal cuidado, em uma monocultura intensiva, se exaure e fica infértil por muito tempo. Isso acontece mesmo com o investimento em fertilizantes.

De acordo com o economista americano, o meio ambiente influencia a economia (e vice-versa). Ou seja, qualquer plano de desenvolvimento deve levar em conta os aspectos naturais da região, as relações desenvolvidas ali e como as atividades econômicas não irão impactar o local.

 
 Figura 1: É preciso a ação de todos para construir um futuro melhor.

 

Todos os países precisam ter planos bem elaborados para conciliar essas duas áreas. De nada adianta um plano de crescimento econômico que não respeite a natureza, pois o futuro cobrará os danos do presente.

São necessárias instituições que fiscalizam, punam e eduquem as pessoas a agir da maneira certa. O meio ambiente não é algo longe de todos e a natureza não está aí para o homem usar como bem entender. Somos parte dela e sentiremos, junto com ela, toda a destruição.

O Prêmio Nobel de Economia de 2018 mostrou a importância de se falar na estreita relação entre economia e meio ambiente. O desenvolvimento sustentável e seus três pilares (natureza, economia e sociedade), nos mostra que é preciso aliar esses campos na busca por um futuro melhor. Afinal, um crescimento econômico desenfreado não mantém a natureza sadia. É preciso que os três pilares estejam em equilíbrio para um futuro melhor para todos.

 

REFERÊNCIAS

Menuzzi TS, Silva LGZ. Interação entre economia e meio ambiente: uma discussão teórica. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, v. 19, n. 1, 2015.

Popular information. NobelPrize.org. Nobel Media AB 2018. Wed. 17 Oct 2018.

Martine G; Alves JED. Economia, sociedade e meio ambiente no século 21: tripé ou trilema da sustentabilidade? Revista Brasileira de Estudos de População, v. 32, n. 3, 2015.

 

 

Facebook Comments
COMPARTILHAR: