Para você que diz nunca ter usado uma droga

Atualmente estamos discutindo e repensando a respeito da guerra às drogas de abuso e o uso medicinal de muitas delas. Antes de mais nada: você tem certeza que sabe o que é uma droga? Uma droga é qualquer substância que interfere no funcionamento do nosso corpo por ativar, inibir ou alterar alguma proteína dentro da gente. Novalgina, cafeína, aspirina, vitaminas e tantas outras substâncias são drogas. Todos aqueles remédios que compramos na farmácia são drogas. Você provavelmente já fez uso de algumas dessas drogas, não é?

Uma parcela pequena das drogas produzem alterações cerebrais que são muito prazerosas. Isso pode levar um indivíduo ao uso repetitivo, abusivo e, em uma parcela desses usuários, ao desenvolvimento da dependência. Essas são as drogas que denominamos drogas de abuso.

O prazer da dopamina

Os cientistas acreditam que uma das alterações cerebrais comum que ocorre com o uso inicial de diversas drogas de abuso é o aumento abrupto da dopamina, um neurotransmissor que modula a atividade de muitos neurônios (células do cérebro).

A dopamina não é algo ruim. Ela ajuda o nosso cérebro a entender quais ações devemos repetir, porque produziram consequências positivas ou prazerosas (o que é sinalizado por um aumento de dopamina). Ela também ajuda o cérebro a decidir quais ações devemos inibir, porque produziram retornos negativos (o que é sinalizado por uma diminuição de dopamina). Sexo, comidas, paixão podem aumentar a dopamina. Por outro lado, decepções diminuem dopamina, mais ou menos o que acontece quando me falam que tem lasanha para a janta e descubro que é de berinjela. Particularmente, a minha dopamina deve cair demais.

As drogas de abuso aumentam exageradamente os níveis de dopamina no cérebro, principalmente na região do núcleo accumbens. O núcleo accumbens é uma região no cérebro que, juntamente com algumas outras, formam o que os cientistas chamam de circuitaria da recompensa. Alguns cientistas acreditam que adaptações do sistema dopaminérgico pode levar a um comportamento repetitivo de busca da droga. É claro que muitos outros fatores neurobiológicos assim como fatores genéticos e ambientais também contribuem para o desenvolvimento da dependência.

Quantas drogas de abuso você já experimentou?

Talvez você tenha pensado no crack e na cocaína que permeou as notícias no Brasil nos últimos tempos. Ou talvez você pensou na maconha. Heróina, morfina, LSD, ecstasy, ketamina, chás de cogumelos, ayahuasca, são todas também consideradas drogas de abuso porque são drogas que as pessoas, em alguns casos, utilizam de forma exagerada e sem controle. Muitas dessas drogas de abuso, mas nem todas, tem um potencial bem grande de induzir dependência. E nesse ponto, algumas pessoas já pensaram: “Ufa! Tranquilo,  nunca usei essas drogas mesmo”.

Talvez você já tenha usado essa droga de abuso da foto abaixo. Isso mesmo, o cigarro (e estou falando nesse caso do cigarro comum mesmo) contém diversas substância e, dentre elas, a nicotina que é uma droga de abuso com altíssimo potencial de induzir dependência. A nicotina age se ligando nos receptores nicotínicos de acetilcolina (um outro neurotransmissor presente no cérebro). Além da dependência, o uso da nicotina está associado com diversos tipos de câncer.

.

Você provavelmente já experimentou o álcool. O álcool também é uma droga de abuso. Ele é uma das substâncias psicotrópicas mais consumidas no mundo e o impacto global das doenças relacionadas ao seu uso é enorme, cerca de 4% dos óbitos são relacionados ao consumo de álcool. De acordo com o II Levantamento Domiciliar sobre o uso de Drogas Psicotrópicas no Brasil, realizado em 2005 pelo CEBRID (Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas), 12,3% da população pode ser considerada dependente desta droga. Os cientistas tentam criar diferentes critérios para entender qual droga é a mais perigosa. Um famoso estudo de David Nutt mostrou que se combinarmos os problemas do uso do álcool que acontecem para o próprio indivíduo com os problemas que acontecem com as pessoas ao redor do usuário, o álcool pode ser considerado a droga mais perigosa do mundo, inclusive mais perigosa do que a heroína.

Pare e pense!

As drogas de abuso fazem parte da cultura dos seres humanos há milênios. Há relatos do uso abusivo de álcool na Bíblia, assim como relatos de uso de maconha na antiga Mesopotâmia, na Índia e no norte da África datados de mais de cinco mil anos atrás.

Antes de demonizar uma droga de abuso ou menosprezar pessoas que desenvolveram a dependência, preste bastante atenção nas inúmeras vezes que você mesmo já esteve em contato direto com uma droga de abuso, seja ela  uma droga ilícita ou o álcool, a nicotina, aquele benzodiazepínico para dormir, aquela anfetamina que usou para emagrecer.

O importante é diminuir o preconceito, aprender  cada vez mais sobre os efeitos das drogas, sobre o que é a dependência das drogas e  também abrir a conversa sobre quais são as melhores maneiras de lidar com as drogas de abuso.

REFERÊNCIAS

Carlini, EA, Galduróz JCF et al.. II Levantamento Domiciliar Sobre o Uso de Drogas Psicotrópicas no Brasil – 2004, SENAD (Secretaria Nacional Anti-Drogas). 2005

Cooper S, Robison AJ, Mazei-Robison MS. Reward Circuitry in Addiction. Neurotherapeutic.2017.

Nutt DJ, King LA, Phillips LD; Independent Scientific Committee on Drugs. Drug harms in the UK: a multicriteria decision analysis. Lancet. 2010

Rehm JC, Mathers et al. Global burden of disease and injury and economic cost attributable to alcohol use and alcohol-use disorders. Lancet. 2009

Facebook Comments
COMPARTILHAR:

Deixe uma resposta