A medicina regenerativa e a busca pela longevidade

Ter uma vida longa é um anseio antigo da humanidade. As primeiras histórias sobre a busca da “fonte da juventude” datam do século V. Segundo a lenda, quem bebe ou se banha nas águas desta fonte, rejuvenesce. Que bom seria, não? Pois é. A má noticia é que, até hoje, a fonte da juventude não foi encontrada. A boa, é que a ciência está fazendo sua parte na busca pela longevidade. Muitas frentes de ação existem. Uma delas é a “Medicina Regenerativa”.

Medicina tradicional versus regenerativa: o que as diferencia?

Na medicina tradicional, o objetivo é tratar os sintomas da doença, ajudando o organismo a se restabelecer. No entanto, algumas doenças afetam nossos órgãos irreversivelmente, de forma que não há tratamento que leve à cura. São as chamadas “doenças degenerativas”. Um exemplo é a diabetes tipo I, na qual os linfócitos – as células de defesa do organismo – atacam e destroem as células do pâncreas que produzem a insulina. Dessa forma, o organismo não consegue controlar os níveis de açúcar no sangue, o que desencadeia uma série de complicações . Em casos como este, os tratamentos atuais somente controlam os sintomas, mas não “consertam” sua causa.

É neste contexto que a medicina regenerativa se insere. Seu objetivo é desenvolver tecnologias para regenerar ou, até mesmo, substituir órgãos inteiros, lesados em decorrência de doenças degenerativas ou traumas severos.

E como a Medicina Regenerativa pretende alcançar a cura de doenças degenerativas?

Como você deve pressupor, desenvolver órgãos inteiros ou regenerá-los não é tarefa fácil. Conscientes da complexidade desta tarefa, os cientistas logo perceberam que o sucesso da medicina regenerativa dependeria de um somatório de conhecimentos. Por isso, especialistas de várias áreas colaboram nas pesquisas: médicos, biólogos, químicos, físicos, matemáticos, engenheiros e, até mesmo, informatas!! Juntos, estes cientistas desenvolvem pesquisas em dois contextos principais:

  • a terapia celular; e
  • a bioengenharia.

A terapia celular consiste na utilização de células para regenerar um órgão cuja função esta prejudicada, mas que não necessariamente demanda a completa substituição do órgão. Os tipos celulares passíveis de aplicação são variados, podendo ser utilizadas tanto células maduras (ou especializadas, com função já definida) ou as tão faladas células-tronco e progenitoras, que são capazes de gerar um ou mais tipos celulares especializados.

Um exemplo de terapia celular, que já acontece há muitos anos na prática clínica e que talvez você mesmo já tenha participado, seja como doador ou receptor, são as transfusões de sangue! São as células especializadas do sangue, sendo transplantadas em um organismo receptor, para repor as células perdidas em decorrência de doenças ou traumas! Já nos casos em que células-tronco/progenitoras são necessárias, as terapias são um pouco mais complexas – e por isso ainda encontram-se em fase de testes. Neste caso, o objetivo é que as células-tronco gerem as novas células especializadas que irão recompor o tecido lesionado ou que estimulem as próprias células do organismo a orquestrar o processo regenerativo.

Já a bioengenharia tem um objetivo mais ambicioso: gerar um novo órgão, que irá substituir o que foi lesionado e perdeu sua função de forma irreversível! Ela se baseia em um somatório de ferramentas:

  • células;
  • suportes biocompatíveis que permitam a sobrevivência celular e a estruturação tridimensional do órgão;
  • moléculas sinalizadoras que induzam as células a se organizarem e funcionarem coordenadamente.

Até o momento, poucas estratégias no campo da bioengenharia obtiveram sucesso e todas elas estão relacionadas a órgãos de baixa complexidade estrutural, como a pele e a bexiga. A maior limitação da área reside nos órgãos alta complexidade, como rins, coração, pâncreas e fígado, que requerem a incorporação de extensas redes vasculares e da organização de múltiplos tipos celulares.

No entanto, os especialistas do campo não tem se deixado abater pelas dificuldades e muitas pesquisas vêm sendo desenvolvidas.Técnicas de bioimpressão 3D, que fabricam estruturas com design específico e alta precisão, emergem como uma grande promessa para a geração de estruturas vascularizadas. Por enquanto, uma saída pode ser o uso de porcos geneticamente modificados como fontes de órgãos saudáveis para humanos, como já discutimos aqui no Eureka.

Então, a Medicina Regenerativa fará com que vivamos para sempre?

Bem, é impossível predizer o futuro – ou eu, pelo menos, ainda não tenho esta habilidade! No entanto, é importante frisar que não é este o objetivo. Não é uma questão de viver pra sempre. Até porque nosso planeta não sobreviveria a uma espécie que degrada seu ambiente (infelizmente!), aumentando em número infinitamente. Se trata de viver melhor! Com saúde, mantendo as atividades do dia a dia, com independência.

Se tudo der certo, no futuro, a geração de órgãos em laboratório poderá facilitar os transplantes de órgãos e acelerar o desenvolvimento de novos fármacos. Assim, doenças como cardiopatias, acidente vascular cerebral (AVC), câncer, doenças respiratórias crônicas, diabetes e doenças neurodegenerativas – que hoje representam as maiores causas de morte no mundo – poderão ser tratadas efetivamente. Este é o propósito da Medicina Regenerativa. Que venha o futuro!

 

REFERÊNCIAS

Blanco W. The Histories. Herodotus. W. W. Norton & Company. 2013

Atala A, Murphy S. Regenerative medicine. Jama. 2015.

Datta P, Ayan B, Ozbolat IT. Bioprinting for vascular and vascularized tissue biofabrication. Acta Biomater. 2017.

Shafiee A, Atala A. Tissue Engineering: Toward a New Era of Medicine. Ann. Rev. Med. 2017.

 

Facebook Comments
COMPARTILHAR:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *