Formigas: as defensoras da natureza

Elas estão em quase todos os lugares. São mantenedoras e defensoras da natureza. Por trás das paredes de sua casa, milhares de perninhas caminham frenéticas em busca de alimento para um colônia repleta de irmãs que fazem de tudo para sobreviver. As formigas são um dos artrópodes que mais se diversificaram no planeta, ocupando diversos nichos em praticamente qualquer habitat da Terra (com exceção dos pólos).

Conhecidos por qualquer pessoa, esses insetos formam imensas sociedades no solo, árvores e residências. Cada sociedade é comandada por uma ou mais fêmeas, as rainhas, que recebem alimento, abrigo e proteção por outras castas de formigas: as operárias e os soldados. A simbiose é tão perfeita entre esses organismos que um formigueiro pode existir por anos, onde cada indivíduo tem sua participação no sucesso e manutenção do todo.

No entanto, a fama das formigas não é nada boa. Pergunte para qualquer produtor rural o que ele acha dessas pequenas. Formigas são consideradas pragas tanto no ambiente rural quanto no doméstico, que atacam sem dó as plantações e alimentos deixados em cima da mesa. Elas fazem isso pela sua sobrevivência: aquilo que as formigas levam para suas tocas será seu alimento, ou participará do cultivo do fungo ingerido pelas formigas cortadeiras. O que para o ser humano é a destruição de um patrimônio, para elas é simples busca de comida.

Se por um lado a fama desses pequenos insetos não é boa, por outro elas são vitais para o equilíbrio da natureza. Formigas estão longe de ser animais detestáveis, que só existem para acabar com plantações. Pelo contrário! São animais que mantém uma relação tão próxima com o ambiente, mantendo interações com várias espécies para proporcionar um ambiente mais diverso e saudável para a plantação do fazendeiro que só quer exterminá-las.

Logo de cara as formigas exercem papel importante na aeração e incorporação de matéria orgânica ao solo. Ao escavar, para construir suas galerias, as formigas revolvem o solo. Isso permite que o ar atmosférico penetre nas camadas mais baixas de terra para ser utilizado por milhares de organismos que vivem ali. Um solo aerado apresenta espaços entre os grãos de terra que irão abrigar, além do oxigênio, a água das chuvas que ficará disponível para as plantas. Além disso, o solo mais fofo facilitará o desenvolvimento das raízes.

Potencializando esse benefícios, ao carregar aquilo que “rouba” dos humanos (e outros produtos de seu forrageio) para seus formigueiros, as formigas levam matéria orgânica ao solo. Essa matéria orgânica irá se decompor e fornecer nutrientes necessários ao desenvolvimento dos vegetais.

E tem gente que acha que as bichinhas são pragas! Vai entender…

Formigas criam relações muito próximas com várias espécies de plantas, onde os dois organismos são beneficiados nessa parceria. É o que chamam me mirmecofilia. Pesquisas mostram que esses insetos têm participação fundamental na reprodução dos vegetais. Um estudo feito no nordeste brasileiro por Conceição e colaboradores mostrou que formigas da espécie Pseudomyrmex gracilis atuam como polinizadoras do coqueiro Cocos nucifera. Os autores ainda citam outras espécies desse inseto responsáveis por transportar os grãos de pólen das plantas, permitindo a fecundação e consequente reprodução. As formigas entram em contato com o pólen ao buscar pelos nectários florais, depósitos do suculento néctar utilizado na alimentação desses insetos. A planta fornece a comida e a formiga, mesmo sem querer, garante que o vegetal consiga gerar descendentes.

Formigas também foram relacionadas com a dispersão de sementes (mirmecocoria). Ao cortar os frutos, elas deixam as sementes expostas, facilitando o contato com o solo e posterior germinação. Quando as sementes são levadas ao formigueiro, as formigas protegem essas estruturas de predadores, que poderiam consumir as sementes na superfície. No formigueiro ainda existe uma chance dessas sementes não serem comidas e, quem sabe, um dia virarem uma nova plantinha.

Formigueiros são estruturas gigantescas e o transporte das sementes em seu interior faz com que os rebentos germinem longe da planta-mãe, diminuindo a competição entre eles. Mesmo que a distância seja pequena, a redução da competição por recursos ajuda muito na sobrevivência dos vegetais.

Por fim, a relação das formigas com as plantas chegou a outro nível quando árvores passaram a abrigar esses insetos em seu interior e ambas as espécies tiram vantagem nisso. Um exemplo clássico é a embaúba (Cecropia sp.) e formigas do gênero Azteca. As árvores oferecem aos insetos alimento e abrigo no interior de seu caule. Eles, por sua vez, não consomem a planta. Aproveitam o que a embaúba oferece, mas não a depredam, convivendo harmoniosamente. Em troca, as formigas defendem a planta contra herbívoros, atacando vorazmente quando outro inseto, ou ave, tente atacar a embaúba. As formigas também contribuem para o crescimento vegetal, fazendo podas regulares e impedem que lianas, uma espécie de trepadeira, se alojem nas copas das árvores onde vivem, o que traria prejuízos o vegetal hospedeiro.

Possivelmente existem muitos outros benefícios que as formigas trazem ao habitat em que vivem, todos esperando para serem compreendidos pela ciência. Já é hora de mostrar que cada ser vivo tem sua importância onde vive e muitos deles trabalham em parcerias visando uma vida melhor, com mais segurança e alimento. Quando eles viram “pragas”, talvez o ser humano rompeu uma dessas parcerias, quebrando o delicado equilíbrio que a natureza apresenta.

 

REFERÊNCIAS

Dáttilo W. et. al. Interações mutualísticas entre formigas e plantas. EntomoBrasilis, v. 2, n. 2, p. 32-36, 2009.

Fadil JPR. A agressividade das formigas influencia a ocorrência de lianas em sua planta hospedeira?

Kaminski LA, et al. Ecologia comportamental na interface formiga-planta-herbívoro: interações entre formigas e lepidópteros. Oecologia Brasiliensis, v. 13, n. 1, p. 27-44, 2009.

Oliveira MF, Campos-Farinha AEC. Formigas urbanas do município de Maringá, PR, e suas implicações. Arquivos do Instituto Biológico, v. 72, n. 1, p. 33-39, jan./mar. 2005.

Santana FL. Interações entre formigas, frutos e sementes em um fragmento de Mata Atlântica no sul da Bahia – Brasil. Dissertação (Mestrado em Ecologia e Conservação da Biodiversidade). 2011. 59f. Universidade Estadual de Santa Cruz: Ilhéus, 2011.

Queiroz JB, Almeida FS, Pereira MPS. Conservação da biodiversidade e o papel de formigas (Hymenoptera: Formicidade) em agroecossistemas. Floresta e Ambiente, v. 13, n. 2, p. 37-45, 2006.

Vital MR. As Formigas . Relatório apresentado a disciplina Estágio em Docência. Universidade Federal de Juiz de Fora, Instituto de Ciências Biológicas. 2007.

Facebook Comments
COMPARTILHAR:

Deixe uma resposta